Amantes

vlcsnap-2013-05-17-00h55m24s226“You deserve to be loved”
(Two Lovers, 2008, Dir. James Gray)

A #MaratonaCannes do blog segue com James Gray, que está nesse ano em no festival com Imigrants, mas o diretor já esteve antes com três filmes, inclusive, Amantes, a bola da vez. O filme é inspirado no conto White Nights de Dostoievski, aquele autor russo que as entendidas adoram fingir que conhecem, e também conhecido por ter sido o suposto último filme em que Joaquin Phoenix faria antes de se aposentar.

Amantes começa com o protagonista Leonard Kraditor, interpretado por Phoenix, buscando a fuga no suicídio – e pelo comentário da mãe, o público descobre que não era a primeira vez -, mas sem sucesso. Se jogando no mar para se arrepender depois, de cara o espectador percebe que é na morte que Leonard encontra vida: uma temática que será abordada mais de uma vez no filme.

vlcsnap-2013-05-17-00h52m50s223Retornando para casa após a tentativa falha de suicídio, Leonard é avisado pela mãe, Ruth (Isabella Rossellini) que eles receberiam para jantar amigos do pai, Reuben (Moni Moshonov); e é no jantar que o personagem de Phoenix é apresentado aos Cohen, entre eles, a filha Sandra (Vinessa Shaw), solteira, da mesma idade aproximadamente. É claro que tudo é uma armação para que o casal se encontre, e até que Leonard se interessa, mas o Vertical Horizon explica por que não explodem as faíscas aqui.

vlcsnap-2013-05-17-00h54m37s7Porém, no dia seguinte, Leonard conhece Michelle (Gwyneth Paltrow), a nova vizinha, e todo o encantamento que não sentiu pela primeira, ele sentiu pela segunda, e Britney explica os motivos aqui. Mesmo sem afastar Sandra de vez, talvez por não querer decepcionar os pais, talvez por vaidade (pois é claro que a moça está interessada), Leonard passa a trocar mensagens e a sair com Michelle. Ela é livre, tem um
relacionamento com um homem casado e está morando num bairro afastado do agito da cidade pelas circunstâncias, enquanto que Leonard está preso à sua família e a um emprego que o sufoca. É difícil ele não se entregar à fantasia de ter um relacionamento com uma mulher tão “fucked-up” quanto ele. Mas, más notícias, Leonard, você foi friendzoned e é só o irmão pra Michelle.

af, pelamordedeus, parem com isso de friendzone

af, pelamordedeus, parem com isso de friendzone

Aí Leonard procura o porto seguro que é Sandra, e James Gray utiliza de forma crocante as fotografias que o protagonista tira como forma de marcar a passagem de tempo e o relacionamento dos dois. E é interessante observar como a vida familiar toma conta até de uma das poucas coisas que dava prazer a Leonard: as fotos, que antes mostravam a vida urbana, agora mostram pessoas. Mas lá vem a tempestade, e durante o bar mitzvah do irmão de Sandra, Leonard recebe uma ligação de Michelle, e o protagonista está novamente dividido.

James Gray passa as quase duas horas desenvolvendo essa temática da vida em pausa. Leonard não está dividido entre Sandra, a que o ama e quer cuidar dele, e Michelle, a que o desafia e provoca. Ele também está dividido entre viver ou permanecer sufocado, se jogar no mar ou continuar trabalhando na empresa do pai. Resumir o filme a escolhas amorosas é limitar um filme que faz um estudo minucioso de um personagem – inclusive, não há cena sem a presença de Leonard. O final é o encerramento perfeito, pois não poderia haver solução mais egoísta nem enquadramento mais irônico.

vlcsnap-2013-05-17-00h51m59s180Amantes valeria a pena apenas pela excelente condução de James Gray, que conduz bem o espectador ao clima do filme. Os jogos de escuro e claro que o diretor faz com a câmera, como na cena do encontro de Michelle e Leonard, são uma efetiva forma de criar expectativa. Porém, não basta o diretor ser bom, ele tem um elenco que se entrega aos personagens. Até Gwyneth Paltrow convence como uma mulher vidaloka, e mostrando que sabe atuar quando tem um papel de verdade, ao contrário de outras atuações da moça. Vinessa Shaw também se destaca como a um tiquinho de sexy sem jamais ser vulgar Sandra, sempre contida e jamais indo além do esperado como a filha séria e certinha. Isabella Rossellini é sutil na medida como a mãe de Leonard (será que o Ross ainda colocaria ela no top 5 dele?). Joaquin Phoenix apenas cumpre todas as expectativas que poderíamos ter com sua atuação, e domina o filme. Fosse outro ator a interpretar Leonard, e o personagem não teria toda a força que tem, pois Phoenix é perfeito em mostrar as inseguranças e insatisfações do personagem. Ainda bem que a aposentadoria foi apenas um surto, e ele voltou depois para fazer O Mestre.

Abordando temáticas como a família e decisões amorosas de pano de fundo para o dilema existencialista do protagonista, Amantes nunca cai no superficial ou no pedante. Algumas metáforas até podem ser óbvias, mas são utilizadas de forma a levar respostas ao espectador, pois o objetivo de Gray é analisar Leonard, e ele é eficiente na execução. Amantes foi o terceiro filme de James Gray a aparecer em Cannes, e agora com mais marcando presença no festival, o diretor não precisa provar mais nada.

NOTA MARCELLE MACHADO: DÉEEEEZ

Felipe Rocha: 8
Tiago Lepeka: 10
Wallysson Soares: 8,5

Média Claire Danes do Shitchat: 9,1

claire de burca

Homem de Ferro 3

ironman3

(Iron Man 3, 2013, Dir. Shane Black)

Terminando a #MaratonaMarvel, em que todas as funcionárias se submeteram a ver os filmes que compõem os Vingadores, Homem de Ferro 3 estreia com Shane Black (Beijos e Tiros) no comando, embora com Jon Favreau ainda envolvido na produção.

A boa notícia (acho) é que o resultado é melhor que o do antecessor – o que não é difícil, vamo falar a verdade né? Porém, perde para o primeiro em narrativa, ainda que este terceiro filme da série tenha seus muitos problemas em fechar a trama (erros que são cometidos nos dois filmes seguintes, af). O filme vai tão bem no começo que estava desejando com todas as forças que não fizessem as mesmas merdas, pois o personagem merece ser mais explorado e aqui ele até tem vários problemas de ansiedade e estresse abordados. Problema é que: tem uma hora que tá tudo fora de controle o que nos leva a um final bagunçado. Ou seja, fizeram merda de novo.

Guy Pearce sofre do mal de Bridges e Rourke nos filmes passados: exagera. Mas a culpa não é do ator, os roteiristas ainda fazem questão de inserir uma ~jogada preguiçosa disfarçada de sacada inteligente~ pra cima de Ben Kingsley e desperdiçam um bom vilão pra dar espaço a um cara que brilha, literalmente. É a coisa mais covarde do mundo, mas se falo mais é spoiler então sossegando a periquita.

dracarys rsrsrs

dracarys rsrsrs

O Mandarin funciona até destruírem o personagem e desperdiçarem um Ben Kingsley assustador. Temos também um tempo precioso perdido em plots terríveis. O pior deles é o de Pepper. Ninguém ali tem uma atuação ruim, mas a maioria sofre com a má-construção de seus respectivos personagens. E Pepper é exemplo claro. O mais à vontade continua sendo Robert Downey Jr. Pelo menos dele não reclamo, nem de Don Cheadle que aparece pouco, mas não faz feio. 

Mama

katniss potts

Quase que todo momento o filme se segura no humor, e assim as duas horas não são tão cansativas e nisso Shane Black ganha pontos. Incomoda você pensar que vai ser surpreendido já que o trailer fez o papel dele direitinho de criar falsas expectativas. A surpresa até acontece, mas é bem desagradável e representa um dos dois maiores problemas do filme. E o elenco continua com nomes fodas: Ben Kingsley, Guy Pearce e Rebecca Hall se juntam ao time. E os personagens novos ao menos não passam a sensação e ficar ali só por ficar.

Há um momento muito bacana em Homem de Ferro 3 que fica apenas no começo, não sobrevive muito tempo: a ~relação simbiótica~ de Tony com as armaduras. Ele não consegue dormir, e por isso vai trabalhar mais, obcecado com a segurança de Pepper e com crises de ansiedade a partir dos eventos em NY em Os Vingadores. Que, aliás oferece bem mais à trama do que Homem de Ferro 2.

A sequência de ação final que começou a sessão interminável de rolleyes. Você entenderá. Enquanto isso, aqui Max para descrever o sentimento:

max

O filme vale a pena também pelos detalhes, como Max de Happy Endings está lá fazendo uma ponta sensacional. Also, Joan Rivers sendo foda em 5 segundos e Downton Abbey sendo zuada. O resultado é satisfatório, engraçado e até empolgante antes do chute no saco. A relação que Tony cria com uma criança é talvez a melhor coisa do filme. A pior são aqueles capangas de fogo. As cenas de ação são bem realizadas, ainda que não possa servir de defesa às razões que fizeram todo mundo chegar lá. Apesar de tudo, não consegui sentir raiva pelo filme, porque Homem de Ferro 3 é uma boa comédia.

Aviso: tem uma cena após os créditos, é óbvio!!!! Dica: não esperem a cena.

NOTA RAFAEL MOREIRA: 7,0

Média Claire Danes do ShitChat: Claire resume a Maratona Marvel com apenas uma palavra:

homeland-1

Os Vingadores

630-theavengers-jpg_224610
(The Avengers, 2012, Dir. Joss Whedon)

Quando foi decidido fazer a Maratona Marvel, me voluntariei prontamente para escrever sobre Os Vingadores, pois de Avengers eu entendo:

mim add e manda isos

mim add e manda isos

E Joss Whedon é o deus da minha religião:

melhores séries, as do jossinho <3

melhores séries, as do jossinho ❤

Além disso, pelo bullying feito na planilha de notas, eu já imaginava que se outra pessoa escrevesse sobre Avengers, o filme não teria a resenha que merece.

todos compreensivos com as notas dos outros

todos compreensivos com as notas dos outros

Depois de dois filmes sobre Homem de Ferro e com Hulk, Capitão América e Thor já apresentados, não faltava mais nada para o filme que juntaria todos os personagens e apresentaria como a Iniciativa Vingadores foi iniciada. Mas, quem seria capaz de criar um roteiro que unisse todos esses personagens sem que tudo ficasse aleatório nem forçado? Zak Penn, responsável pelo roteiro de Hulk, foi considerado, Jon Favreau, diretor de Homem de Ferro, esteve envolvido, mas quem acabou com a direção e o roteiro de Os Vingadores foi Joss Whedon, criador, diretor e roteirista de séries conhecidas do público como Buffy e Firefly. E em 2012, o filme foi lançado.

nerds feat camisa do black sabbath

nerds feat camisa do black sabbath

Seguindo a trama de Capitão América, o filme começa com o Tesseract sendo roubado por Loki, vilão de Thor, que pretende utilizar o cubo para permitir a entrada de uma raça alienígena que dominará a Terra, e assim, o semi-deus terá um planeta para chamar de seu. Para localizar o Tesseract e encontrar Loki, são convocados Tony Stark e Bruce Banner, este recrutado pela Viúva Negra. Além deles, há Nick Fury, diretor da S.H.I.E.L.D., Maria Hill, tenente da S.H.I.E.L.D., e Gavião Arqueiro, à princípio, manipulado por Loki. E para impedir Loki e resgatar o Gavião Arqueiro, a Iniciativa Vingadores é retirada do papel.

O roteiro de Whedon faz um bom trabalho em juntar todos os heróis, e de certa forma, apresentá-los ao público que porventura não tenha visto algum dos filmes anteriores. Os primeiros quarenta minutos mostram a arrogância de Thor, o sarcasmo de Tony Stark, o heroísmo de Steve Rogers, a insegurança e o isolamento de Bruce Banner, o profissionalismo da Viúva Negra e do Gavião Arqueiro. Fica evidente que o foco do roteiro não é exclusivamente juntar os heróis para explodir tudo. Há desenvolvimento das personalidades, e conflitos causados por essas diferenças.

As pessoas mais amargas do ShitChat criticam o roteiro alegando que é uma versão de filmes do Mortal Kombat com dinheiro, pois Os Vingadores segue a mesma premissa: heróis diferentes tem que lutar juntos, brigam por causa das diferenças, e depois percebem que juntos ficam mais fortes e assim salvam o dia. Acho que minhas colegas estão deixando muita coisa de lado, como o fato de nada dos conflitos entre os personagens ser gratuitos. Há uma função na trama para Thor e o Homem de Ferro brigarem, e disso sai desenvolvimento dos personagens. Não tem nada de errado com clichês quando eles não são usados à toa.

333484579_640

Outro mérito de Joss Whedon é que todos os heróis tem um arco dramático no filme. A Viúva Negra tem que caçar o colega que a salvou da prisão, o Capitão América descobre verdades sobre o exército norte-americano, Thor tem que lidar com o trabalho em equipe, o Homem de Ferro tem que lidar com a S.H.I.E.L.D., até mesmo Loki tem seu momento de protagonismo no filme. Também é sempre bom apreciar o humor de Whedon e os diálogos que ele consegue criar, especialmente um entre a Viúva Negra e Loki. Considerando que Whedon teve que lidar com exigências do estúdio, como o fato de Loki ser o vilão e a batalha final, ele fez um bom trabalho com o roteiro.

Thor-Iron-Man-and-Captain-America-the-avengers-2012-movie-30116770-1280-686

Tecnicamente, o filme também tem seus méritos. Whedon também acerta na direção, e no tom dos personagens. Não há estranhamento no que os atores entregam se comparados aos filmes solo de cada um. Um dos pontos altos é a mixagem de som, bem detalhado, sendo possível ouvir o ruído da flecha do Gavião Arqueiro, por exemplo. A inserção do Hulk nas cenas também é bem feita, sem parecer gritante que é efeito especial.

Robert Downey Jr. e Tom Hiddleston roubam as cenas. O Tony Stark de Downey Jr seduz ao dizer verdades disfarçadas de tiradas sarcásticas, o megalomaníaco e ressentido Loki de Hiddleton diverte. Os demais atores aproveitam bem os bons momentos que o roteiro oferece a cada, mas sem atuações que sejam realmente memoráveis. É engraçado reconhecer atores de outras séries do Whedon no filme, e falando em atores de série, agora imagino que além de ser Robin Sparkles, Robin Scherbatsky foi da S.H.I.E.L.D. antes de ser amiga de Ted Mosby.

dosi atores de Dollhouse e Alexis Denisof irreconhecível

dois atores de Dollhouse e Alexis Denisof irreconhecível

O resultado final de Os Vingadores é bem positivo. Náo há um herói sem um objetivo ou função na trama, que é bem construída, sem forçadas de barra como em outros filmes da Marvel. Joss Whedon foi a escolha certeira para tirar do papel a história que reuniria todos os heróis da Iniciativa Vingadores, e mal posso esperar pela sequência.

NOTA MARCELLE MACHADO: 9,0

Alexandre 2Broke Alves: 4,0
Felipe and a Half Rocha: 3,5
Leandro Ferreira: 7,0
Fael Morenga: 8,0
Tiago Bazinga Lipka: 3,5
Wallyson Soares: 8,0

Média Claire Danes do ShitChat: 6,1 claire

Homem de Ferro 2

Image

(Iron Man 2 – Dir. Jon Favreau, 2010)

Boa tarde, meu caro pai de família, que acorda cedo pra trabalhar na construção civil, para construir apartamentos luxuosos e você fica apenas a deus dará, esperando o dia de ganhar naquela suada mega sena e ter um desses… apenas digo algo: Vá fazendo sua aposta, pois o próximo milionário pode ser VOCÊ!!

Mas o assunto não é exatamente esse, dessa vez, é um homem milionário que acha que o mundo precisa de seu dinheiro torrado pra produção de tecnologia avançada para o #bem.

Image

Eu?

Ah, mas é claro que não! Estou falando dele:

Image

Obrigada

Ok, Tony.

Sim, o playboyzinho mais amado nos últimos tempos retorna para mais uma continuação da #saga Homem de Ferro, com o propósito de trazer paz ao mundo e tentar corrigir alguns reparos que a sua empresa fez à sociedade.

Após analisarem os momentos de ação do Homem de Ferro no filme anterior, as forças armadas dos Estados Unidos nutrem um grande interesse pela armadura do Tony, com a finalidade de utilizá-la em guerra (não, como animador de festa da sua irmã). Além das forças armadas, a sua armadura também é muito cobiçada por Justin Hammer, o antagonista desta continuação. Além disso, ainda aparece Ivan Stanko, o filho de um conhedido do Stark, que nutre um desejo de vingança pelo herói. Ou seja: fudeu, flor.

Image

O filme é mesclado com doses de humor – aquelas piadas do Tony Stark e o seu explosivo egocentrismo voltado ao fato de ser milionário, que deixaria Marx, Engels, Lenin, Trotsky, Rosa Luxemburgo e toda Liga Comunista espumando de raiva -, cenas de luta e caprichados efeitos especiais, o que é bem característico aos filmes do gênero (claro, porque uma coisa tem que agradar quem leu o HQ de cabo a rabo e assiste ao filme apenas pra comparar, mas, cara, é só um filme!). Quanto às piadas, é bom ter momentos de #rysos, mas parece que derramaram uma carreta de piadas à la facebook neste filme que lhe deixa com essa cara de brisa (pelo menos a minha).

Momento macho do filme: Scarlett Johansson. Altamente sexy sem ser vulgar, deixando a personagem da Gwyneth Paltrow pra trás. E, sim, se tem a participação da Viuva negra, da S.H.I.E.L.D, desde o início da década passada é dada a ideia de que Os Vingadores iria existir no #futuro (dã).

Image

Mirando na Giuelt Patrol hihihi (Como é mesmo que escreve, Tony?)

É apenas o que tenho a dizer: Depois das produções mornas de Homem de Ferro 1 e 2… O que esperar desse 3, pela misericórdia do Senhor Jesus que morreu para nos salvar do pecado original? Atire a primeira pedra quem der um 10.

NOTA ALEXANDRE ALVES: 4,0

Filips: 3,0
Chá: 4,0
Marcelha: 5,0
Fael Morenga: 4,0
Thiago Lhipka: 7,0
Wallita: 7,5

Média Claire Danes do ShitChat: 4,92 – Chatiada com o sistema neoliberal onde tem gente passando fome, enquanto Tony Stark gasta dinheiro com cosplay. claire 3 a 5

Homem de Ferro

iron-man-2008-crop-1

“I’d be out of a job with peace.”

(Iron Man, 2008, Dir. Jon Favreau)

Esse fim de semana estreia o novo Iron Man, dirigido por Shane Black (do deliciouso Beijos e Tiros). Para ~comemorar~, nós aqui da redação Xitexáte S.A. faremos uma retrô Marvel. Mas sossega o rabo que não consideraremos todos, apenas os com selinho Marvel Studios. Ou seja, nada de Homem-Aranha ou X-Men.

chora não tobey, vemk <3

chora não tobey, vemk ❤

Basicamente fica pra retrospectiva apenas o pessoal da turma da Justiça dos Vingadores. Começando pelo Robb Tony Stark e seu Homem de Ferro de 2008. Dirigido pelo divertido Jon Favreau, o filme adota o estilo da trilogia Batman do Mr. Nolan para criar um mundo mais realista e pé no chão afim de introduzir seu super-herói sem que este soe “sobrenatural”. O que não é difícil. O personagem de Stark se encaixa perfeitamente na proposta belicista que muitos dos filmes seguintes da Marvel abraçam. A diferença é que o roteiro surpreendentemente decente distorce o conceito. Stark não esconde sua postura (“ficaria sem emprego com a paz”, ele diz), mas o resto é uma deliciosa ironia. Ou seja, o exato oposto do horroroso Capitão América.

Como o Steve Rogers, Tony Stark também é usado como a personificação dos Estados Unidos. A diferença é que no insosso filme com Chris Evans vemos a América patriótica e protetora dos fracos, com o tal discurso belicista inegável. No Homem de Ferro de Favreau, o sarcasmo quase niilista do Stark é apenas a ponta do iceberg. Seu personagem expõe o que há de mais errado no país e da melhor forma possível. E assisti-lo se tornando um exemplo de herói só torna tudo muito mais divertido.

What a feeling, being's believin'

“What a feeling, being’s believin'”

O combo de amor de Favreau é conseguir unir um roteiro esperto cheio de boas sacadas e diálogos divertidos com a presença do glorioso Robert Downey Jr., que almeja roubar todas as cenas. Na verdade, ele rouba o filme. Dane-se Favreau, o filme é do Downey Jr.. Seu Stark debochado é ao mesmo tempo irritante e carismático e ele acerta cada detalhe. Do timing cômico aos (poucos) momentos que exigem mais seriedade. Guerra, armamento e destruição em massa são alguns dos principais temas do filme, mas o clima predominante é de humor. Favreau pode até querer brincar de Nolan, mas é o mesmo cara de Zathura e Um Duende em Nova York. A leveza acaba se tornando um dos principais méritos do filme.

"Fuck Superman."

“Fuck Superman.”

O longa pode ser do Downey Jr., mas o elenco está de parabéns. Com destaque óbvio para Jeff Bridges como Obadiah Stane, um vilão que vale a pena. Talvez o único que consegue oferecer momentos tão valiosos quanto os do protagonista. Terrence Howard e Gwyneth Paltrow até tentam, mas não possuem muito espaço. Ainda assim, é válido notar a boa dosagem de romance empregada. Sutil e cheio de momentos genuínos, a parte romântica do filme fica no volume mínimo e não tira a atenção do que importa – mas é importante o suficiente para render algumas das melhores cenas e talvez a camada que faltava para deixar o Tony Stark do Downey Jr. ainda mais completo.

Como um filme big budget, não adianta nem elogiar muito os efeitos especiais sensacionais, mas podemos lamentar que não foram utilizados à máxima potência. Para um longa repleto de boas idéias, não tem como negar o rumo anti-climático da história. Favreau constrói a origem ideal para um personagem forte que habita uma realidade igualmente interessante. Porém, na hora do vamos ver a ação fica de segundo plano e o clímax deixa a desejar. É em síntese o contrário do que acontece na sequência (mas chegaremos lá).

Apesar de tudo, o filme se recupera maravilhosamente com seu desfecho crocantíssimo. Lembrando um dos melhores momentos envolvendo heróis da Marvel (sim, você mesmo Homem-Aranha 2), encerra com gostinho de quero mais.

NOTA WALLYSSON SOARES: 8,5

Felipe Amarga Rocha: 3,0
Leandro Ferreira: 7,0
Marcelle Machado: 7,0
Rafael Morenga: 7,0
Tiago Lipka: 8,5

Média Claire Danes do Shitchat: 6,8 (insatisfeita com o processo democrático de votação do blog)

"adorei o filme, mas sou obrigada a fazer essa cara"

“adorei o filme, mas sou obrigada a fazer essa cara”