Amantes

vlcsnap-2013-05-17-00h55m24s226“You deserve to be loved”
(Two Lovers, 2008, Dir. James Gray)

A #MaratonaCannes do blog segue com James Gray, que está nesse ano em no festival com Imigrants, mas o diretor já esteve antes com três filmes, inclusive, Amantes, a bola da vez. O filme é inspirado no conto White Nights de Dostoievski, aquele autor russo que as entendidas adoram fingir que conhecem, e também conhecido por ter sido o suposto último filme em que Joaquin Phoenix faria antes de se aposentar.

Amantes começa com o protagonista Leonard Kraditor, interpretado por Phoenix, buscando a fuga no suicídio – e pelo comentário da mãe, o público descobre que não era a primeira vez -, mas sem sucesso. Se jogando no mar para se arrepender depois, de cara o espectador percebe que é na morte que Leonard encontra vida: uma temática que será abordada mais de uma vez no filme.

vlcsnap-2013-05-17-00h52m50s223Retornando para casa após a tentativa falha de suicídio, Leonard é avisado pela mãe, Ruth (Isabella Rossellini) que eles receberiam para jantar amigos do pai, Reuben (Moni Moshonov); e é no jantar que o personagem de Phoenix é apresentado aos Cohen, entre eles, a filha Sandra (Vinessa Shaw), solteira, da mesma idade aproximadamente. É claro que tudo é uma armação para que o casal se encontre, e até que Leonard se interessa, mas o Vertical Horizon explica por que não explodem as faíscas aqui.

vlcsnap-2013-05-17-00h54m37s7Porém, no dia seguinte, Leonard conhece Michelle (Gwyneth Paltrow), a nova vizinha, e todo o encantamento que não sentiu pela primeira, ele sentiu pela segunda, e Britney explica os motivos aqui. Mesmo sem afastar Sandra de vez, talvez por não querer decepcionar os pais, talvez por vaidade (pois é claro que a moça está interessada), Leonard passa a trocar mensagens e a sair com Michelle. Ela é livre, tem um
relacionamento com um homem casado e está morando num bairro afastado do agito da cidade pelas circunstâncias, enquanto que Leonard está preso à sua família e a um emprego que o sufoca. É difícil ele não se entregar à fantasia de ter um relacionamento com uma mulher tão “fucked-up” quanto ele. Mas, más notícias, Leonard, você foi friendzoned e é só o irmão pra Michelle.

af, pelamordedeus, parem com isso de friendzone

af, pelamordedeus, parem com isso de friendzone

Aí Leonard procura o porto seguro que é Sandra, e James Gray utiliza de forma crocante as fotografias que o protagonista tira como forma de marcar a passagem de tempo e o relacionamento dos dois. E é interessante observar como a vida familiar toma conta até de uma das poucas coisas que dava prazer a Leonard: as fotos, que antes mostravam a vida urbana, agora mostram pessoas. Mas lá vem a tempestade, e durante o bar mitzvah do irmão de Sandra, Leonard recebe uma ligação de Michelle, e o protagonista está novamente dividido.

James Gray passa as quase duas horas desenvolvendo essa temática da vida em pausa. Leonard não está dividido entre Sandra, a que o ama e quer cuidar dele, e Michelle, a que o desafia e provoca. Ele também está dividido entre viver ou permanecer sufocado, se jogar no mar ou continuar trabalhando na empresa do pai. Resumir o filme a escolhas amorosas é limitar um filme que faz um estudo minucioso de um personagem – inclusive, não há cena sem a presença de Leonard. O final é o encerramento perfeito, pois não poderia haver solução mais egoísta nem enquadramento mais irônico.

vlcsnap-2013-05-17-00h51m59s180Amantes valeria a pena apenas pela excelente condução de James Gray, que conduz bem o espectador ao clima do filme. Os jogos de escuro e claro que o diretor faz com a câmera, como na cena do encontro de Michelle e Leonard, são uma efetiva forma de criar expectativa. Porém, não basta o diretor ser bom, ele tem um elenco que se entrega aos personagens. Até Gwyneth Paltrow convence como uma mulher vidaloka, e mostrando que sabe atuar quando tem um papel de verdade, ao contrário de outras atuações da moça. Vinessa Shaw também se destaca como a um tiquinho de sexy sem jamais ser vulgar Sandra, sempre contida e jamais indo além do esperado como a filha séria e certinha. Isabella Rossellini é sutil na medida como a mãe de Leonard (será que o Ross ainda colocaria ela no top 5 dele?). Joaquin Phoenix apenas cumpre todas as expectativas que poderíamos ter com sua atuação, e domina o filme. Fosse outro ator a interpretar Leonard, e o personagem não teria toda a força que tem, pois Phoenix é perfeito em mostrar as inseguranças e insatisfações do personagem. Ainda bem que a aposentadoria foi apenas um surto, e ele voltou depois para fazer O Mestre.

Abordando temáticas como a família e decisões amorosas de pano de fundo para o dilema existencialista do protagonista, Amantes nunca cai no superficial ou no pedante. Algumas metáforas até podem ser óbvias, mas são utilizadas de forma a levar respostas ao espectador, pois o objetivo de Gray é analisar Leonard, e ele é eficiente na execução. Amantes foi o terceiro filme de James Gray a aparecer em Cannes, e agora com mais marcando presença no festival, o diretor não precisa provar mais nada.

NOTA MARCELLE MACHADO: DÉEEEEZ

Felipe Rocha: 8
Tiago Lepeka: 10
Wallysson Soares: 8,5

Média Claire Danes do Shitchat: 9,1

claire de burca

Homem de Ferro 3

ironman3

(Iron Man 3, 2013, Dir. Shane Black)

Terminando a #MaratonaMarvel, em que todas as funcionárias se submeteram a ver os filmes que compõem os Vingadores, Homem de Ferro 3 estreia com Shane Black (Beijos e Tiros) no comando, embora com Jon Favreau ainda envolvido na produção.

A boa notícia (acho) é que o resultado é melhor que o do antecessor – o que não é difícil, vamo falar a verdade né? Porém, perde para o primeiro em narrativa, ainda que este terceiro filme da série tenha seus muitos problemas em fechar a trama (erros que são cometidos nos dois filmes seguintes, af). O filme vai tão bem no começo que estava desejando com todas as forças que não fizessem as mesmas merdas, pois o personagem merece ser mais explorado e aqui ele até tem vários problemas de ansiedade e estresse abordados. Problema é que: tem uma hora que tá tudo fora de controle o que nos leva a um final bagunçado. Ou seja, fizeram merda de novo.

Guy Pearce sofre do mal de Bridges e Rourke nos filmes passados: exagera. Mas a culpa não é do ator, os roteiristas ainda fazem questão de inserir uma ~jogada preguiçosa disfarçada de sacada inteligente~ pra cima de Ben Kingsley e desperdiçam um bom vilão pra dar espaço a um cara que brilha, literalmente. É a coisa mais covarde do mundo, mas se falo mais é spoiler então sossegando a periquita.

dracarys rsrsrs

dracarys rsrsrs

O Mandarin funciona até destruírem o personagem e desperdiçarem um Ben Kingsley assustador. Temos também um tempo precioso perdido em plots terríveis. O pior deles é o de Pepper. Ninguém ali tem uma atuação ruim, mas a maioria sofre com a má-construção de seus respectivos personagens. E Pepper é exemplo claro. O mais à vontade continua sendo Robert Downey Jr. Pelo menos dele não reclamo, nem de Don Cheadle que aparece pouco, mas não faz feio. 

Mama

katniss potts

Quase que todo momento o filme se segura no humor, e assim as duas horas não são tão cansativas e nisso Shane Black ganha pontos. Incomoda você pensar que vai ser surpreendido já que o trailer fez o papel dele direitinho de criar falsas expectativas. A surpresa até acontece, mas é bem desagradável e representa um dos dois maiores problemas do filme. E o elenco continua com nomes fodas: Ben Kingsley, Guy Pearce e Rebecca Hall se juntam ao time. E os personagens novos ao menos não passam a sensação e ficar ali só por ficar.

Há um momento muito bacana em Homem de Ferro 3 que fica apenas no começo, não sobrevive muito tempo: a ~relação simbiótica~ de Tony com as armaduras. Ele não consegue dormir, e por isso vai trabalhar mais, obcecado com a segurança de Pepper e com crises de ansiedade a partir dos eventos em NY em Os Vingadores. Que, aliás oferece bem mais à trama do que Homem de Ferro 2.

A sequência de ação final que começou a sessão interminável de rolleyes. Você entenderá. Enquanto isso, aqui Max para descrever o sentimento:

max

O filme vale a pena também pelos detalhes, como Max de Happy Endings está lá fazendo uma ponta sensacional. Also, Joan Rivers sendo foda em 5 segundos e Downton Abbey sendo zuada. O resultado é satisfatório, engraçado e até empolgante antes do chute no saco. A relação que Tony cria com uma criança é talvez a melhor coisa do filme. A pior são aqueles capangas de fogo. As cenas de ação são bem realizadas, ainda que não possa servir de defesa às razões que fizeram todo mundo chegar lá. Apesar de tudo, não consegui sentir raiva pelo filme, porque Homem de Ferro 3 é uma boa comédia.

Aviso: tem uma cena após os créditos, é óbvio!!!! Dica: não esperem a cena.

NOTA RAFAEL MOREIRA: 7,0

Média Claire Danes do ShitChat: Claire resume a Maratona Marvel com apenas uma palavra:

homeland-1