Noivo Neurótico, Noiva Nervosa

vlcsnap-2013-06-30-21h10m15s85(Annie Hall, Dir. Woody Allen – 1977)

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa parece ser uma desculpa de Woody Allen para ter uma DR com Diane Keaton e amaciar um pouco seu ego. Considerando que o filme é baseado no relacionamento do diretor com a atriz protagonista do filme, cujo nome é a junção do apelido e do sobrenome verdadeiro de Keaton, aparentemente Allen fez um filme para evitar alguns anos de terapia. Não sei se o diretor superou sua fixação por Diane Keaton, mas pelo menos um bom filme ele fez, a ponto de ser lembrado como ShitClássico da vez.

O filme é sobre o começo, desenvolvimento e fim do relacionamento entre Annie Hall e Alvy Singer. As cenas são apenas diálogos entre, principalmente, os personagens de Woddy Allen e Diane Keaton e nada mais, resultando num retrato eficiente não apenas da relação, mas dos personagens. De cara, o espectador é apresentado a Alvy e seus grandes medos. Fica evidente suas neuroses e, se não há identificação por ele não ter as mesmas preocupações que um ~cara comum~, pelo menos há empatia, pois as motivações do personagem estão claras. Além do mais, como não se identificar com um cara que acabou de levar um fora? Sim, o filme começa deixando claro que os protagonistas não ficam juntos no final, algo que certamente foi inspiração para uns 500 filmes aí.

perdão pela falta de sutileza

perdão pela falta de sutileza

Após apresentar Alvy, a trama volta para quando o personagem de Allen encontra-se com Annie. Apenas pelas roupas fica evidente que Annie não é uma ~mulher comum~, mas em momento algum o filme apresenta a personagem de Keaton como um floco de inverno único e original, nem como uma personagem rasa. Annie é tratada de forma honesta pelo roteiro, sem idealizações. O sucesso da personagem foi enorme a ponto de mais filmes focados em personagens femininas fossem lançados nos anos seguintes, bem como ter influenciado no guarda-roupa e vocabulário de várias mulheres.

Além da ótima caracterização dos personagens, a forma não-linear em retratar a trama se mostrou um grande acerto, pois não é utilizada de forma gratuita e nem tenta ser o grande marco do filme. A influência de diretores clássicos do cinema europeu é evidente, mas a utilização em Annie Hall certamente inspirou as mentes com lembranças de diversos roteiristas

cade a minha sutileza??

cade a minha sutileza??

Annie Hall mereceria todos os elogios apenas pelos fatores já mencionados, mas Woody Allen ainda tira da manga truques como a inserção de animação no meio do filme, e em certa cena, ele apresenta o pensamento dos personagens, mostrando suas inseguranças ao se conhecerem. Porém, uma das idéias mais interessantes é a quebra da quarta parede, com Alvy interagindo com o espectador, com figurantes em cena, e o roteiro se aproveita disso não só para evidenciar traços da personalidade de Alvy como para criticar a sociedade americana, como na famosa cena da fila para assistir um filme.

spotted: bergnamzim

spotted: bergmamzim

Além de ser um filme de personagens, Annie Hall é um filme sobre filmes e cultura em geral. Os personagens leem, vão para o cinema, assistem televisão e conversam entre si sobre suas experiências culturais, um reflexo de como esses elementos culturais influenciam as vidas de todos – não é à toa que a animação inserida é Branca de Neve e os Sete Anões. E sem assumir ares pedantes, saber da opinião dos personagens sobre livros e filmes cria camadas a eles. Fica claro a obsessão de Alvy com a morte e a inclinação feminista de Annie.

Allen também acerta em como retrata Nova York e Los Angeles, utilizando tons azulados e cinzas para retratar NY, enquanto usa cores vibrantes quando os personagens estão em LA. É dessa forma que Allen convence o espectador que o lugar de Alvy é em Nova Iorque, talvez por retratar a cidade de forma tão caótica quanto o protagonista; e que o lugar de Annie é em Los Angeles, deixando claro que o que separou os dois foram diferenças tão grandes quanto a distância entre as cidades.

Allen tem a habilidade de usar toda essa mistura de elementos e fazer de Annie Hall um filme coerente, sem que nenhum dos artifícios utilizados desvirtue o foco do filme: o retrato da sociedade americana culturalizada, tomando como base o relacionamento entre os protagonistas. Annie Hall foi um filme inovador, para o público geral da época, provando que é possível desenvolver temáticas com profundidade em uma trama tão simples quanto o dia a dia de um casal do começo até antes do amanhecer do término.

não, sutileza não é meu forte.

não, sutileza não é meu forte

NOTA MARCELLE MACHADO: 10

Alexandre Alves: 10
Dierli Santos: 10
Felipe Rocha: 9
Leandro Ferreira: 9
Fael Moreira: 10
Tiago Lipka: 10
Wallyson Soares: 9

Média Claire Danes do ShitCat: 9,625 claire de burca

O Iluminado

the-shining-bloody-girls

“I said, I’m not gonna hurt ya. I’m just going to bash your brains in.”

(The Shinning – Dir. Stanley Kubrick – 1980)

Inquietante, assombroso, hipnotizante, apavorador, arrepiante. Palavras justas para descrever a abertura de O Iluminado, um dos planos mais marcantes do Cinema e que sempre me afeta em níveis inimagináveis. Você começa o filme com cu na mão antes mesmo de dar os cinco minutos de metragem. A partir daí esperamos pelo pior e é exatamente o que Kubrick entrega – só que da melhor forma possível. Não dá pra ler a obra complexa e aterrorizante de Stephen King e imaginar que seria filmada de tal forma. Kubrick surpreende completamente. E não só a nós – King, por exemplo, ficou surpreso e puto da vida.

Esse filminho leve e descomprometido – para os leigos que não sabem – retrata o isolamento de Jack “heeeeeeeeeeeeeeeres Johnny!” Torrance, sua tapadíssima mulher Wendy e seu filho deficiente mental especial Danny no gracioso Overlook Hotel. Jack vai fazer um trabalho de acompanhamento e manutenção do hotel e aproveita para trabalhar em seu livro. Só que, né, como a musiquinha horrorosamente horripilante da abertura sugere, as coisas ficam meio tenebrosas. E seja pelas gêmeas esquisitas escondidas nos corredores, uma onda de sangue jorrando do elevador ou a insistente trilha sonora apavorante, O Iluminado vai se tornando um terror como poucos. Daqueles que não só afeta seus nervos, mas entra na sua cabeça.

ShiningShelleyMes

O grande triunfo do texto de King é mantido em essência no filme de Kubrick: o personagem de Jack Torrance e seu gradativo colapso à insanidade ensandecida. O restante do livro de King é completamente mutilado, mas isso é outro assunto (vale dizer apenas que o senhor Stefano Rei não curtiu a brincadeira). Mas vamos concordar que o labirinto enevoado foi uma adição deliciousa do Kubrick. Por outro lado, o desfecho em si é anticlimático. Não só isso, mas deixa uma sensação errada ao fim que não sei bem explicar. Talvez se deva à exclusão de uma cena da versão final. Ou talvez Kubrick honestamente não soubesse onde levar seu filme.

tumblr_m27zx1bmqP1rpf9sro1_500

Se Jack Torrance é a crocância da história, o outro Jack (Nicholson, seu lerdo) é raio, luiz, estrela e luar. King tinha um pouco de razão quando discordou da escolha de Nicholson para o papel, alegando que a cara de perturbado do sujeito amenizaria o drama de seu colapso à loucura. Mas foda-se porque é apenas uma das atuações mais deliciosas e diabólicas. “All work and no play makes Jack a dull boy” virou hino e a bola de tênis, relíquia. Mais importante que ela só o bastão da Shelley Duvall (essa gostosa #sóquenão). Duvall, aliás, foi indicada ao Framboesa mas está maravilhosamente bulinada por King #chupalarsvontrier. Um deleite o desespero da gata. E o jovem Danny Lloyd não deixa a desejar, evocando inquietação em sequências de parar o coração.

O que dizer da técnica do Kubrick que já não foi dita pelos outros shitters sobre os outros filmes do cara? O Iluminado não é sobre trama e não adianta procurar por plot points e twists que estes não existirão. Só não digo é uma descida ao inferno porque Kubrick não acredita em inferno, mas é o mais próximo disso que podemos imaginar. Uma viagem sensorial que só Kubrick com sua câmera maravilhosa poderia retratar. Os enquadramentos são espetaculares e os planos divinos. Somam à trilha sonora para causar o maior desconforto possível e transformar O Iluminado nessa pérola do gênero. Se você não acredita em fantasmas, não se preocupe que tem o desequilíbrio psicológico do Jack Torrance para tirar seu sono. De uma forma ou de outra, Stanley Kubrick vai conseguir o que quer. Não é um filme perfeito e nenhuma obra-prima, mas uma preciosidade na mesmice do gênero e uma adaptação inusitada. “We all shine on”, como diria outro Johnny. O Iluminado não será esquecido.

stewie aprova essa mensagem

stewie aprova essa mensagem

NOTA WALLYSSON SOARES: 8,5

Alexandre Alves: 10
Felipe Rocha: 9,0
Leandro Ferreira: 10
Marcelle Machado: 10
Evanilson Carvalho: 10
Tiago Lipka: 10

MÉDIA CLAIRE DANES DO SHITCHAT: 9,666 Clayre diabólica de burca claire_burca