O Iluminado

the-shining-bloody-girls

“I said, I’m not gonna hurt ya. I’m just going to bash your brains in.”

(The Shinning – Dir. Stanley Kubrick – 1980)

Inquietante, assombroso, hipnotizante, apavorador, arrepiante. Palavras justas para descrever a abertura de O Iluminado, um dos planos mais marcantes do Cinema e que sempre me afeta em níveis inimagináveis. Você começa o filme com cu na mão antes mesmo de dar os cinco minutos de metragem. A partir daí esperamos pelo pior e é exatamente o que Kubrick entrega – só que da melhor forma possível. Não dá pra ler a obra complexa e aterrorizante de Stephen King e imaginar que seria filmada de tal forma. Kubrick surpreende completamente. E não só a nós – King, por exemplo, ficou surpreso e puto da vida.

Esse filminho leve e descomprometido – para os leigos que não sabem – retrata o isolamento de Jack “heeeeeeeeeeeeeeeres Johnny!” Torrance, sua tapadíssima mulher Wendy e seu filho deficiente mental especial Danny no gracioso Overlook Hotel. Jack vai fazer um trabalho de acompanhamento e manutenção do hotel e aproveita para trabalhar em seu livro. Só que, né, como a musiquinha horrorosamente horripilante da abertura sugere, as coisas ficam meio tenebrosas. E seja pelas gêmeas esquisitas escondidas nos corredores, uma onda de sangue jorrando do elevador ou a insistente trilha sonora apavorante, O Iluminado vai se tornando um terror como poucos. Daqueles que não só afeta seus nervos, mas entra na sua cabeça.

ShiningShelleyMes

O grande triunfo do texto de King é mantido em essência no filme de Kubrick: o personagem de Jack Torrance e seu gradativo colapso à insanidade ensandecida. O restante do livro de King é completamente mutilado, mas isso é outro assunto (vale dizer apenas que o senhor Stefano Rei não curtiu a brincadeira). Mas vamos concordar que o labirinto enevoado foi uma adição deliciousa do Kubrick. Por outro lado, o desfecho em si é anticlimático. Não só isso, mas deixa uma sensação errada ao fim que não sei bem explicar. Talvez se deva à exclusão de uma cena da versão final. Ou talvez Kubrick honestamente não soubesse onde levar seu filme.

tumblr_m27zx1bmqP1rpf9sro1_500

Se Jack Torrance é a crocância da história, o outro Jack (Nicholson, seu lerdo) é raio, luiz, estrela e luar. King tinha um pouco de razão quando discordou da escolha de Nicholson para o papel, alegando que a cara de perturbado do sujeito amenizaria o drama de seu colapso à loucura. Mas foda-se porque é apenas uma das atuações mais deliciosas e diabólicas. “All work and no play makes Jack a dull boy” virou hino e a bola de tênis, relíquia. Mais importante que ela só o bastão da Shelley Duvall (essa gostosa #sóquenão). Duvall, aliás, foi indicada ao Framboesa mas está maravilhosamente bulinada por King #chupalarsvontrier. Um deleite o desespero da gata. E o jovem Danny Lloyd não deixa a desejar, evocando inquietação em sequências de parar o coração.

O que dizer da técnica do Kubrick que já não foi dita pelos outros shitters sobre os outros filmes do cara? O Iluminado não é sobre trama e não adianta procurar por plot points e twists que estes não existirão. Só não digo é uma descida ao inferno porque Kubrick não acredita em inferno, mas é o mais próximo disso que podemos imaginar. Uma viagem sensorial que só Kubrick com sua câmera maravilhosa poderia retratar. Os enquadramentos são espetaculares e os planos divinos. Somam à trilha sonora para causar o maior desconforto possível e transformar O Iluminado nessa pérola do gênero. Se você não acredita em fantasmas, não se preocupe que tem o desequilíbrio psicológico do Jack Torrance para tirar seu sono. De uma forma ou de outra, Stanley Kubrick vai conseguir o que quer. Não é um filme perfeito e nenhuma obra-prima, mas uma preciosidade na mesmice do gênero e uma adaptação inusitada. “We all shine on”, como diria outro Johnny. O Iluminado não será esquecido.

stewie aprova essa mensagem

stewie aprova essa mensagem

NOTA WALLYSSON SOARES: 8,5

Alexandre Alves: 10
Felipe Rocha: 9,0
Leandro Ferreira: 10
Marcelle Machado: 10
Evanilson Carvalho: 10
Tiago Lipka: 10

MÉDIA CLAIRE DANES DO SHITCHAT: 9,666 Clayre diabólica de burca claire_burca

Spartacus

spartacus-1960-01
I am Spartacus!
(Spartacus, 1960. Dir. Stanley Kubrick)

Além de ser o mais macho desta equipe, também sou a que mais se sacrifica. Já vi um dos piores filmes da vida por conta do Blog, e dessa vez, deixei de escrever sobre O Iluminado, pois o eletrodoméstico responsável por Spartacus não conseguiu ver o filme a tempo. Problemas técnicos à parte, não habemus papam, mas habemus Spartacus. E juro que o texto será mais curto que o filme.

Os bastidores de Spartacus dariam um filme bem interessante. Rejeitado como protagonista de Ben-Hur, Kirk Douglas decide comprar seu épico: Spartacus, baseado no livro de Howard Fast, que romantiza uma história real de um grupo de escravos que lutaram contra Roma. Comprou também um diretor, mas Anthony Mann foi demitido, e, faltando dias para as filmagens começarem, Kubrick, que havia trabalhado com o ator em Glória Feita de Sangue, foi contratado para assumir a direção do filme. Os problemas internos, no entanto, não acabaram. Como diretor contratado, Kubrick estava lá para obedecer ordens, e isso o desagradou. Houve também discussões entre Kubrick e o diretor de fotografia, Russell Metty, atores foram demitidos, a amizade entre Kubrick e Kirk Douglas acabou desgastada, tudo por conta do perfeccionismo do diretor. O roteiro ficou imune, mas mais por causa de razões contratuais que por vontade do diretor, que achava que o protagonista era um herói idealizado. Inclusive, Spartacus é um marco na filmografia de Kubrick, pois depois desse filme, nunca mais aceitou ser diretor contratado.

De qualquer forma, aos trinta e um anos, Kubrick dirigia seu primeiro grande filme – e põe grande nisso. Spartacus leva três horas para contar a história do ex-escravo que lidera uma revolução contra Roma, e apesar de durar um pouco mais do que deveria, tecnicamente é impecável.

spartacus1960

A trama começa com Spartacus, escravo condenado à morte por ter mordido um guarda, sendo salvo por um agenciador de gladiadores, que o resgata para ser treinado. Sem ter controle de seu destino em momento algum, ele é levado para uma espécie de “escola de gladiadores”. Ele não é o único a ser treinado, mas a rotina dos aprendizes a gladiador é rigorosa. Não é comum os alunos criarem laços entre si, pois eventualmente eles acabariam se enfrentando, ou se envolver com as escravas, mas Spartacus acaba quebrando essas duas regras. Ao enfrentar um amigo e ser poupado da morte pelo mesmo, que acaba morrendo pela atitude, somado à venda de Varinia, escrava por quem se apaixona, Spartacus inicia sua rebelião contra Roma. O romance é criticado por alguns como ponto fraco do filme, mas é esse o estopim da revolta. Diga-se de passagem, nenhum dos temas desenvolvidos é gratuito, seja as intrigas políticas em Roma, ou Spartacus desenvolvendo seu exército, tudo isso tem função para a trama geral.

spartacus2

As diversas tramas e seus temas influencia na montagem. A sequência em que os fatos são exibidos é coerente e bem organizada, e se o filme é arrastado, deve-se ao roteiro, que poderia ser mais ágil ao concluir certas tramas, como Varinia prisioneira de Crassius, por exemplo. Apesar dessa reticência, o roteiro tem idéias ousadas para a época em que foi filmado, como a insinuação de um relacionamento homossexual, o teor anti-escravidão do filme – vale a pena lembrar que o preconceito contra negros era enorme nos EUA durante os anos 60, e o paralelo entre os escravos de Roma e os negros é válido -, e toda a temática de lutar por liberdade e pelo controle de seu destino, sem subjugar-se às normas de outros.

A escolha do elenco é certeira. Kirk Douglas carrega Spartacus ciente da responsabilidade, e não decepciona. Jean Simmons possui uma química com Douglas que aproxima o espectador do romance, e ajuda a torcer pelo casal. Laurence Olivier transita bem pelas diversas nuances de Crassus, o personagem mais complexo do filme – sim, Kubrick tem razão, Spartacus é idealizado e não tem nenhum defeito, af. Os coadjuvantes têm seu momento também, como a cena em que Antoninus declama um poema.

q cena maravilhousa!!!!11

q cena maravilhousa!!!!11

Spartacus, no entanto, é lembrado, com razão, pela direção competente e a sua fotografia – merecidamente premiada com um Oscar. O trabalho de Russel Metty pode ter muito de Kubrick, mas o resultado influencia diretamente ao ditar o clima de algumas cenas: tons áridos para Spartacus ainda escravo, verde e água quando o ex-escravo está com sua amada, tons de vermelho e amarelo para representar o poder de Roma. E o perfeccionismo de Kubrick proporcionou uma das mais belas e grandiosas cenas de batalha ao exigir que o duelo final entre o exército de Spartacus e a Legião de Roma fosse filmado com mais de oito mil coadjuvantes, realizando em conjunto uma batalha em forma de coreografia. Inegável a influência da fotografia e direção em épicos que foram filmados depois. Mas Spartacus não é referência apenas em filmes épicos…

Tornando a maior bilheteria da Universal por dez anos, Spartacus pode ter sido renegado por Kubrick por ter sido um trabalho em que ele não pôde expor tudo o que gostaria de ter feito devido a ser uma grande produção, mas é um dos grandes clássicos do cinema devido ao esforço dos envolvidos em fazer um bom trabalho – e terem ido muito além.

spartacus

NOTA MARCELLE MACHADO: 9,0

Alexandre Alves 8,0
Felipe Rocha: 8,0
Tiago Lipka: 7,0

MÉDIA CLAIRE DANES DO SHITCHAT: 8,0 claire danes sorrisinho