Um Conto de Natal

christmastale

(Un conte de Noël, Dir. Arnaud Desplechin – 2008)

Tem alguma coisa em filmes de natal que me faz vomitar. Não sei exatamente se é a obrigação de ~passar uma mensagem de esperança~ no final, se é aquele maldito Jingle Bells que sempre toca ou sei lá o que é. Talvez seja culpa do Chevy Chase e daquele ridículo Férias Frustradas de Natal. O fato é que não tenho cu pra esses filmes e por isso me surpreendi quando me peguei gostando de Um Conto de Natal.

Neste longa de Arnaud Desplechin, uma família enorme se reúne no natal – mas não pra comemorar a data ou babaquice parecida. É porque a matriarca, Catherine Deneuve, precisa de um transplante de medula óssea, pois está morrendo. Aliás, câncer foi o motivo da morte do filho mais velho, aos seis anos de idade, que aconteceu 40 anos antes.

1
O filme se estabelece nas relações entre os personagens, basicamente. O mais interessante é Henri, vivido por Mathieu Almaric. Ele carrega a culpa de não ter sido capaz de salvar a vida do irmão, mas fica bastante claro que há algo a mais sobre ele que não é contado. Sua irmã mais velha, Elizabeth, odeia ele por algum motivo. E quando descobrimos que somente Henri e o filho de Elizabeth são compatíveis com a Deneuve, concluímos que *BANG*:
OMG

OMG

Eles negam que Henri seja pai do moleque, mas a gente pode escolher não acreditar nisso porque senão teríamos que admitir que é gratuito o ódio que Elizabeth e Catherinão sentem pelo cara. Inclusive, Deneuve escolhe o filho como doador em vez do neto justamente porque ela é uma cobra peçonhenta que sabe que há um risco de que ele tome no cu e morra durante a operação.
cobra peçonhenta <3

The Big C

Esse aí é o filme. O restante é enrolação. Por exemplo, há um filho mais novo, Ivan, que é casado com uma tia que na verdade é a filha da Deneuve na vida real, e tem uns filhos meio pentelhos. E tem um primo, Simon. Os três ficam aleatoríssimos durante mais da metade do filme, até que aparece uma tia velha do nada e transforma tudo em um triângulo amoroso – e tudo é um grande anti-clímax, sem ação, sem propósito e sem graça, que só ajuda a tirar o foco do que realmente importa.
Mathieu Amalric imitando o Didi

Mathieu Amalric imitando o Didi

No que diz respeito às relações familiares e laços entre irmãos, o filme lembra bastante Os Excêntricos Tenenbaums, do Wes Anderson. Mas só nisso. Um Conto de Natal é um filme com um ar pessimista, well, agradável, mas que frequentemente corre em direção ao melodrama como se fosse Mel Gibson e suas tentativas de humor nem sempre são um sucesso. 
mas quando funciona é lindo

mas quando funciona é lindo

NOTA FELIPE ROCHA: 8

Alexandre Alves: 8.5
Tiago Lipka: 7.5

Média Claire Danes do Shitchat: 8

3 respostas em “Um Conto de Natal

  1. Também lembrei dos Tenenbaums. Curti bem o filme, só me incomodou o excesso de tramas, que não leva nada a lugar nenhum, e o lance da carta que o Henri teria enviado. Plmrdds, me lembrou aquele final ridiculo da japonês no Babel do Iñarritu. Mas fora isso, filme manero.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s