Maratona Cannes

imageOlá. O Blog do Shitchota começa agora mais uma de suas saborosas maratonas, as quais são uma ótima forma de se conseguir audiência. Desta vez, o assunto é o Festival de Cannes, que começa nesta quarta-feira (15). Mas antes de falar do que se trata esta maratona, vamos contextualizar a bagaça.

HISTÓRIA
O nome Cannes vem do antigo nome da cidade, Canua, que pode ser que derive da palavra “canna”. Vai saber. Uma “canna”, aliás, é uma planta ou um treco assim. Aconteceram umas paradas muito loucas lá entre o século X, a época em que a cidade tinha nome de planta, e o século XVI, quando se tornou independente de uns monge do mal que a controlavam. No século XVIII, os franceses expulsaram uns espanhóis e uns ingleses filhos da puta que queriam roubar a região para si. Aí, foda-se, virou Cannes.

Cane

Cane

GEOGRAFIA
Cannes é uma cidade do sul da França, que fica à beira do mar Mediterrâneo. Tem um total de 19,62km² e uma população de 73.234 pedantes. Sua principal atividade econômica é o turismo e, por isso, é lotada de hotéis de luxo, restaurantes para gente diferenciada e unidades da Estácio.

estacio

O FESTIVAL
Chega de palhaçada, vamos ao que interessa. O Festival de Cannes nasceu do recalque de uns franceses que tinham inveja do Festival de Veneza. A primeira edição, organizada pelo Ministro da Educação Jean Zay, deveria ter acontecido em 1939, presidida pelo Louis Lumière, que no caso é só o inventor do cinema. Só que tinha um negocinho chamado Segunda Guerra Mundial rolando, aí não deu. Ela foi acontecer só em 1946, quando Hitler já era presunto.

O festival foi ganhando importância nos anos 50, quando as celebs passaram a freqüentá-lo. Ó que graça os famosos de carona com Norman Bates:

cute

Sissi tá meio insatisfeita

Em 1955 surgiu a Palma de Ouro, que virou o prêmio dado ao melhor filme da competição. Aí em 1972, os filmes da parada passaram a ser escolhidos por uma comissão independente e não mais pelos países de origem. Long shot aqui, mas acho que estavam de cu cheio de ter que ver filmes brasileiros toscos com o Selton Mello todo ano.

Ta, agora vamos dar uma passadinha por alguns vencedores da Palma de Ouro. Sim, o Brasil já ganhou uma vez: O Pagador de Promessas, de Anselmo Duarte, em 1962. Uns cara manero, tipo Billy Wilder, David Lean e Federico Fellini ganharam essa porra também, por Farrapo Humano, Desencanto e A Doce Vida, respectivamente. Uns outros caras, tipo o Michael Haneke, o Francis Ford Coppola e os Dardenne já ganharam duas vezes.

Eles também dão prêmios de atuação e *BANG* o Brasil também já ganhou um. Foi a Sandra Corveloni, do Linha de Passe, em 2008. Tipo que a velha ganhou Cannes e foi fazer Malhação, mas ta.

PELO AMOR DE DEUS MINHA SENHORA, TENHA AMOR PRÓPRIO

PELO AMOR DE DEUS, MINHA SENHORA, TENHA AMOR PRÓPRIO

Ano passado, o vencedor foi Amor, do Haneke. As duas sapatas do Além das Montanhas ganharam o prêmio de Melhor Atriz (o filme levou roteiro também) e o Madds Mikkelsen ganhou o de Melhor Ator por A Caça. O mexicano Carlos Reygadas ganhou o prêmio de Melhor Direção por Post Tenebras Lux, mas este filme ainda não estreou no Brasil então a gente tá cagando.

:(

😦

Mais que uma competição, o Festival de Cannes é uma forma de promoção do cinema europeu, que, como sabemos, está crescendo. Além disso, a presença dos famosos faz com que a cobertura midiática do evento seja tipo final do BBB, aí a galera aproveita pra lançar filmes, fazer negócios com distribuidoras etc.

E, aliás, Cannes conseguiu ser mais importante que Veneza.

Jean Zay satisfeita

Jean Zay satisfeita

A MARATONA
O Blog vai muito bem financeiramente, pagou as despesas para mandar 70% das funcionárias para o Lollapalooza e os salários já não atrasam há 4 meses. No entanto, somos apenas classe média e não dá pra mandar nenhum trouxa pra França – nem contrabandeado em navios carregados de pau-brasil. Por este motivo, a brilhante ideia do Blog é fazer textos de filmes antigos dos diretores que estarão em competição este ano, dando preferência à obras que participaram do festival em anos anteriores.

breve <3

breve ❤

Fica ligadinha aqui no Blog pois serão muitos textos nos próximos dias, e deu muito trabalho fazer. O mínimo que a senhora dona de casa pode fazer é parar de tentar ver outro acidente ao vivo no programa da Ana Maria Braga por dez minutinhos e clicar aqui. Obrigada.

***

LINKS PARA A MARATONA
1. Alexander Payne (As Confissões de Schmidt, 2002)
2. Zhang Ke Jia (Prazeres Desconhecidos, 2002)
3. Amat Escalante (Sangue, 2005)
4. Arnaud Desplechin (Um Conto de Natal, 2008)
5. François Ozon (Swimming Pool – À Beira da Piscina, 2005)
6. Valeria Bruni Tedeschi (Atrizes, 2007)
7. Paolo Sorrentino (O Divo, 2008)
8. Mahamat-Saleh Haroun (Um Homem que Grita, 2010)
9. James Gray (Amantes, 2008)
10. Alex van Warmerdam (Os Últimos Dias de Emma Blank, 2009)
11. Asghar Farhadi (A Separação, 2011)
12. Abdellatif Kechiche (Vênus Negra, 2010)
13. Steven Soderbergh (Sexo, Mentiras e Videotape, 1989)
14. Roman Polanski (O Pianista, 2002)
15. Hirokazu Koreeda (Ninguém Pode Saber, 2004)
16. Nicolas Winding Refn (Drive, 2011)
17. Takashi Miike (Hara-Kiri: Death of a Samurai, 2011)
18. Jim Jarmusch (Flores Partidas, 2005)
19. Arnaud des Pallières (Parc, 2008)
20. Joel Coen, Ethan Coen (Barton Fink – Delírios de Hollywood, 1991)

3 respostas em “Maratona Cannes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s