Lollapalooza 2013 – Parte 1

485170_474895949247404_1467692374_n
OF MONSTERS AND MEN

Of Monsters and Men foi a primeira banda que realmente esperava ver no Lollapalooza, e a banda correspondeu totalmente às minhas expectativas. É fácil gostar do som dos islandeses – suas músicas cheias de “la la la” e “hey, hey” aproximam o público -, mas tinha dúvidas se o som mais íntimo da banda funcionaria num espaço aberto. As dúvidas desapareceram nos primeiros instantes do show, iniciado por Dirty Paws, a mesma faixa que abre o disco de estréia do grupo, My Head Is An Animal. A banda parecia que tinha suas dúvidas também, pois o sexteto ficou evidentemente emocionado com a acolhida do público, que cantava junto – não apenas os la la las – , e batia palmas.

Nem a chuva que de ameaça virou certeza esfriou o show. Pelo contrário, ela trouxe momentos de interação como quando a vocalista Nanna Bryndís Hilmarsdóttir comentou que preferia chuva ao sol. E intercalando músicas mais agitadas como Mountain Sound entre as mais calmas, como Your Bones, Of Monsters and Men segurou o público até o encerramento com Yellow Light, e agradecimentos efusivos ao público.
(Marcelle Machado)

7663_10201053587968380_2047377315_n
THE TEMPER TRAP

Para as gatas que não estavam no Palco Cidade Jardim, mas sim molhadíssimas no Butantã com chuvas e lágrimas do show maravilhouso de Of Monsters and Men, pegar o início desse shom do The Temper Trap foi um perrengue. Mas após afundar os calçados múltiplas vezes em merda de cavalo, conseguimos chegar ainda na primeira música para nos deliciar com essa bandinha indie promissora. Com apresentação curta de apenas dez músicas, os australianos conseguiram deixar uma impressão mais do que válida. Apesar do setlist faltar certo polimento (arrumaria espaço para “Love Lost” e “Dreams”), merecem todo o amor do mundo por terem tocado “Soldier On”, uma favorita minha.

561238_10201053594728549_343800928_n

Apesar de ter demorado um pouco para se soltar, a banda logo caiu nas graças do público brasileiro sempre receptivo, e o vocalista Dougy Mandagi logo estava se jogando no público e rebolando para nossa alegria. Alias, que vocalista! Seu alcance ao vivo ultrapassa o que ouvimos nos álbuns e seus falsettos dominaram o Jockey Club (“Rabbit Hole” sendo o melhor exemplo). E já que estamos falando do vocalista, para as piranhas do público que chamaram ele de “hispânico chinês negro”, Dougy é da Indonésia, beijos. Então após berrar letras maravilhosas e cantar em uníssono com banda afiadíssima (“Drum Song” taí pra isso), Temper Trap fecha a apresentação com “Sweet Disposition”, garantindo o amor das fãs e conquistando mais alguns sujos de estrume do Jockey.
(Wallyson Soares)

164935_10201053603728774_370102306_n
THE FLAMING LIPS

Cultuada por suas apresentações bombásticas, Os Lábios Flamejantes era uma das principais atrações do Lollapalooza para euzinho. Estava honestamente morrendo de curiosidade para ver a banda de álbuns maravilhosos como Yoshimi Battles the Pink Robots, The Soft Bulletin e At War With the Mystics ao vivo. Antes do show, o vocalista Wayne Coyne já estava desfilando no palco em preparação. Cheio de bizarrices, a arrumação do Palco Cidade Jardim prometia uma apresentação no mínimo curiosa. Eis que Flaming Lips surge em cena de um filme futurista (com direito a bebê no colo do Wayne) e hipnotiza o Jockey.

Já começando errado ao tocar sete músicas seguidas do novo álbum duvidoso, Flaming Lips prova ser exatamente o que era antes de ganhar sucesso: uma banda de rock progressivo extremamente experimental. O som ensurecedor e o vocal agressivo chamavam atenção de tal forma que era impossível desviar a atenção do que acontecia no palco – mas, ao mesmo tempo, desafiava a paciência e até mesmo o desejo por um show mais upbeat e agradável. O que começou a ganhar forma quando a banda encerrou o show com algumas canções do que deve ser seu melhor álbum – Yoshimi Battles the Pink Robots.

No meio tempo, Wayne parava a apresentação para falar asneiras – inclusive várias vezes mencionando os aviões que sobrevoavam o Jockey Club, em certo momento criando hipótese do mesmo cair no festival e matar todo mundo. Era mais do que claro que Wayne, como sua canção do Yoshimi, estava “ego tripping at the gates of hell”. Nada melhor para explicar um show estranho, bizarro e inconclusivo. Não ruim por ser bem o que Flaming Lips em sua natureza sempre foi, mas decepcionante por ter tido chances de ser outra coisa. Nem a arrasadora “Do You Realize??” levantou a platéia apática.
(Wallyson Soares)

3 respostas em “Lollapalooza 2013 – Parte 1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s