Paranorman

paranorman2

(Paranorman – Dir. Sam Fell, Chris Butler).

Hoje nós vamos falar sobre um longa que aborda a vida de um indivíduo que tinha o dom de falar sobre os espíritos:

Image

Euzinho?

Não!

Na verdade, é sobre a animação que está concorrendo ao oscar deste ano, Paranorman. O filme, produzido em stop motion e pelo mesmo estúdio que produziu Coraline – Laika, narra a vida de Norman, um garoto que mora no subúrbio com seus pais e sua irmã patricinha adolescente (com a voz da linda Anna Kendrick), e é fã de filmes de terror. Além de filmes de terror, ele tem o dom/maldição de poder ver espíritos e ainda poder falar com eles. Isso faz dele um menino incompreendido pelos pais e irmã, e a única pessoa com quem ele conversa e tem uma boa relação dentro da própria casa é a sua avó, que já faleceu.

E na escola não é diferente: aquela perseguição dos colegas, que normal e fundamental para estes personagens, é intensa na vida do Norman, o qual é ridicularizado e humilhado pelos alunos, tendo seu armário pixado, sendo vítima de agressões físicas e verbais. Logo, é um personagem incompreendido, solitário e – porque não? – problemático, devida à sua condição.

O que acontece, para desenvolver a história da animação é algo simples: Norman é designado pelo seu tio, que também pode ver os mortos, a impedir que uma maldição atinja a cidade no dia de uma festividade peculiar: o aniversário da bruxa que fora sacrificada pelos puritanos e primeiros habitantes desta cidade. Norman tem como tarefa fazer a leitura de um livro em um cemitério onde estes puritanos foram sepultados – todos vítimas da ira da feiticeira condenada. Mãaaaas, o que era de se esperar, é que a tarefa não dá certo, os mortos ressuscitam, e a coisa fica tensa pro lado do menino.

Cordei pro carnaval ;*

Cordei pro carnaval ;*

E é o que ocorre em Paranorman: o garoto tem que dar um jeito de alertar sobre o que está pra acontecer, e certamente sabemos que ele dará conta disso. O que é interessante nesta animação, é o fato dela possuir um teor amadurecido no direcionamento da história, não conduzindo por um ar infantil, e que já foi percebido em outras animações, como A casa monstro, por exemplo . O tema abordado, como mortos que retornam, bruxas, feitiços, é narrado com um leve teor sério, o que difere de animações que já abordaram a temática; a própria explicação acerca do motivo que leva a “bruxa” a se vingar da cidade onde ela foi condenada e morta é desenvolvida por um aspecto não fantasioso, mas partindo de uma ficção amadurecida. E, de uma maneira linear, os personagens vão amadurecendo (a irmã chata, o seu colega que praticava o bullying, o gordinho e seu bombado e aloprado, os próprios pais do Norman…) e, cada um de sua maneira, buscam ajudar o protagonista a realizar a sua tarefa.

paranorman1

Se Paranorman tem chances de ganhar o Oscar, são outros quinhentos, haja vista que ele concorrerá com Valente (#que #tem #muitos #amores #meus). Entretanto, descartando algumas falhas presentes na animação, temas adultos como mediunidade, a morte e as crises das relações interpessoais foram tão bem desenvolvidas em um projeto destinado ao ~público infantil~.

NOTA ALEXANDRE ALVES: 8,0.

Tiago Lipka: 7,5

MÉDIA CLAIRE DANES DO SHITCHAT: 7,75 – De boas brincando de Poltergeist.

CLAIRE DANES FANTASMA

2 respostas em “Paranorman

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s