Fringe – 5ª temporada

fring4

Gente, acabou Fringe. Tipo, sério mesmo. Neste 2013 não teremos nenhum otário no Twitter promovendo a hashtag #SaveFringe achando que isso influencia alguma coisa nas decisões de cancelamento e renovação das emissoras. Tô até emocionado.

chorando

chorando

Mas enfim, o que interessa aqui é falar sobre esta 5ª temporada. Eu estava OK com uma série que mostrava um universo e uma versão paralela deste mesmo universo, que era “igual, mas com pequenas diferenças”. Aí veio o final da terceira temporada. Peter foi apagado. As duas timelines foram reescritas. Tudo o que aconteceu antes não interessa. E as duas temporadas seguintes foram um exercício de paciência no qual só obtive êxito graças à esperança de ver um dos amores da minha vida novamente.

<3

❤ GENE CONGELADINHA ❤

Parece que esses seriados não aprenderam absolutamente nada com Lost e insistem nessas palhaçadas de viagens no tempo que, invariavelmente, dão merda no resultado final. Estou aqui há mais de uma hora tentando encontrar sentido em um final com Walter indo para o futuro e mudando o passado convenientemente a partir de 2015, o momento em que os Observadores invadem. Não vou ficar nesse tema aqui porque me sinto meio ridículo pensando nisso, mas apenas imaginem que a ideia de enviar Walter e Michael para o futuro era para evitar o desenvolvimento dos Observadores como conhecemos, o que significaria que eles jamais voltariam ao passado e não interfeririam na relação de Walter e Walternate com seus Peters. Enfim, cansei de falar disso e to fazendo menos sentido que o episódio.

calice

calando-me

Outra coisa que é bem ridícula (mas essa você que viu cinco anos dessa série já tá acostumadíssimo): o amor. A resposta para todos os mistérios de Fringe foi sempre o amour. E isso sempre foi tratado das formas mais bregas possíveis. Inclusive o ápice da cafonice aconteceu no último episódio.

Infectados com amor *_*

Infectados com amor *_*

Mas nem todos sofreram com os efeitos deste tão puro sentimento. Alguns foram tomados pelo oposto.

bicha raivousa

bicha raivousa

E aqueles 80 mil episódios com nossa galerinha procurando o Arnold? Não consegui esconder a decepção quando finalmente revelou-se que Arnold era só o Setembro cabeludo e não um desses:

:(

😦

EDIT: Geeeeeeeeent fui alertado por um leitor intrometido “Yure” que na verdade o nome do cara era DONALD e não ARNOLD. Socorro, passei 13 episódios entendendo errado. Calcule o grau de atenção que eu dedicava ao seriado.

Mas nem tudo foi horroroso nesta temporada final de Fringe. A morte da menina Etta foi o grande momento do ano e QUASE me fez ter um nível de animação s02 com a série. A principal consequência da morte dela (a vingança do Peter contra os Observadores) foi divertida e, ainda que a plot tenha sido encerrada sem uma conclusão decente, pelo menos nos deu a chance de enfim apreciar plenamente o talento do Pacey como ator.

sofrendo

sofrendo

nervosaaaaaaaa

nervosaaaaaaaa

Outra coisa: esse negócio de que a criança anômala sabia o que ia acontecer e que ela saiu do trem para que Olivia tomasse o Cortexiphan e tivesse poderes para matar o Windmark. Apenas uma desculpa para a gente ter um episódio no Lado B e ver  Bolivia e sua peruquinha ruiva e Lincoln Lee mais uma vez. Aprecio a atitude, mas fico meio sentido que uma série que faz maquiagens deliciosas como essa

manero

manero

resolve que para envelhecer Bolivia e Lincoln Lee 21 anos só uma mechinha e uns fios brancos são suficientes.

not manero

not manero

Então é isso. Agradecemos ao seriado Fringe pela existência da deliciosíssima segunda temporada e de boa parte da terceira. Pro resto a gente caga. E você que é fã e está revoltado com este texto, toma aí uma tulipa branca.

tchau

tchau

NOTA FELIPE ROCHA: 6,0

Marcelle Machado: 8,0
Ralzinho Carvalho: 8,0

MÉDIA CLAIRE DANES DO SHITCHAT: 7,33

8 respostas em “Fringe – 5ª temporada

  1. Qualquer coisa pelo Lincoln, pelo cabelo da Olívia ruivo e com vida, pelo Walter doidão de dorgas, pelas anomalias loucas que os efeitos e as makes fizeram, pela Astrid querendo matar o Walter pelas merd que ele apronta e não podendo pq o véi é gênio, enfim…
    Vai-se um amor meio odiado! ❤

  2. Eu achei a quinta bem maneira porém a existência da s4 meio que cagou tudo pra mim. Tanto faz, continuo amando Fringe pro resto da vida, vou apagar a s4 da memória ser pedante e tatuar uma tulipa brancaaaaarghhh alguem me para

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s